A Reforma de Pneus na PNECAP e o meio ambiente

A reforma de pneus é uma prática mundial e teve sua origem como forma de evitar o desperdício, empregando apenas 25 % do material utilizado na produção de um pneu novo.

No Brasil, este valor representa mais de 500 milhões de litros de economia de petróleo/ano. Mil reformas economizam petróleo para abastecer aproximadamente 2.000 caminhões.

No Brasil a atividade de reforma de pneus existe desde 1.943 e é o segundo mercado mundial, vindo após os Estados Unidos.

A reforma de pneus contribui para minimizar a geração de resíduos sólidos de difícil destinação e consequentemente ameniza o efeito do aquecimento global.

A reforma de pneus foi a primeira atividade industrial a preservar o meio ambiente, evitando que milhões de pneus “carecas” fossem jogados em aterros sanitários, rios e oceanos.

A reforma de pneus reduz os impactos ambientais, pois além de não ser uma atividade poluidora, seus resíduos são recicláveis, tornando-se uma atividade sustentável.

Reformar pneus é contribuir para a construção de um planeta melhor para as futuras gerações.

Para Descartar o Pneu
Os pneus inservíveis, se descartados de forma inadequada, podem causar sérios problemas, portanto, procure em sua localidade pontos de coletas que possam dar a destinação correta evitando assim a degradação do meio ambiente ou acesse www.reciclanip.com.br e descubra o ponto de coleta mais próximo de você!
Fica aqui a dica da PNECAP.

A PNECAP, por sua vez, dispõe de um processo produtivo moderno e em constante evolução, no sentido de eliminar os possíveis impactos ambientais que seriam gerados pela atividade industrial. Nesse sentido, tem investido muito nos últimos anos para proporcionar um ambiente de trabalho saudável e que não agrida de nenhuma forma o meio ambiente, tais como:

- Utilização de gás como combustível para alimentação da caldeira, em vez de lenha, óleo diesel, óleo combustível e outros produtos que geram poluição ambiental. O custo do gás é maior do que o de outros produtos anteriormente citados, porém o custo para o meio ambiente é zero.

- Utilização de modernos exaustores automáticos que coletam os resíduos de borracha, gerados durante o processo de raspagem do pneu, acondicionando-os em local adequado para posterior destinação ecologicamente correta, qual seja, a fabricação de tapetes de borracha, sandálias de borracha e outros artefatos de borracha que utilizam o pó de raspa do pneu como matéria prima. Os resíduos sólidos também são reciclados para uso como asfalto ecológico, combustível alternativo em fornos de cimenteiras, entre outras.

- Utilização de máquina automática de limpeza de pneus (operação efetuada antes do início do processo de reforma), eliminando a aplicação de produtos a base de tinta poluente, na fase de acabamento e limpeza dos pneus já reformados.

- Aferição periódica de todas as máquinas e equipamentos para reduzir ao máximo o uso de fontes de energia.

- Implantação pioneira do programa de qualidade PRQV (PROGRAMA REFORMADOR QUALIFICADO VIPAL), que contempla, além do aperfeiçoamento de todo o processo produtivo e de qualidade do produto final, a destinação correta de todos os resíduos gerados durante a reforma de pneus.

Implantação de sistemas de iluminação natural para reduzir o uso de energia elétrica na área produtiva.

- Implantação de sistema de coleta semanal e o/u diária de todos os resíduos de borracha, papelão, plástico, pneus inservíveis e demais produtos recicláveis. Coleta efetuada por pessoas físicas ou jurídicas que utilizam esses produtos como matéria prima.